Open spaces

Open space: como fundir a cozinha com a sala de jantar (e/ou de estar)?

Cozinhas abertas que, harmoniosamente, se fundem com a sala de jantar (e/ou de estar) são uma grande tendência que ajuda a criar espaços mais amplos e luminosos. Embora lhes sejam mantidas a identidade e a funcionalidade, num open space pressupõe-se que cozinha, sala de jantar e sala de estar sejam integradas e o resultado é uma atmosfera otimizada, perfeita para um estilo de vida contemporâneo. 

As opiniões sobre cozinhas abertas e cozinhas fechadas divergem e é certo que há vantagens e desvantagens em ambas. Neste artigo, vamos explorá-las para que possa tomar uma decisão baseando-se nas suas necessidades e no que deseja para a sua casa.

O que significa ter cozinha e sala em open space?

Em português, open space significa espaço aberto, o que na prática significa que  não existem paredes a separar a(s) sala(s) da cozinha. Além de ser uma tendência muito presente em escritórios, tem vindo também a ganhar espaço nas casas privadas, sendo cada vez mais comum encontrar habitações em que não existem divisões separadas por paredes e todos os espaços coexistem em harmonia. 

Cozinha aberta: os prós

As cozinhas abertas são perfeitas para quem gosta de receber convidados em casa, pois poderá facilmente interagir com eles, mesmo no momento em que prepara as refeições. Esta é, provavelmente, a vantagem que mais se destaca, que pode ainda ganhar outra dimensão se tiver crianças, por ser uma excelente forma de os vigiar. Portanto, é uma opção muito funcional a nível de comunicação, tanto num registo de rotina diária, como em ocasiões especiais.

Outro pró evidente, especialmente quando falamos de casas pequenas, é a otimização do espaço, pois a ausência de paredes fará com que os espaços pareçam maiores e mais amplos. Os ambientes tornam-se mais informais, a luz atravessa o espaço muito melhor, fazendo com que uma cozinha aberta fique mais luminosa e mais agradável à vista.

Cozinha aberta: os contras

Tenha presente que uma cozinha aberta terá necessariamente de ser arrumada e limpa mais amiúde do que uma cozinha fechada, porque tem maior exposição. Apesar disso, pode contornar o modo como encara esta obrigação e tomá-la como uma motivação para manter a cozinha sempre organizada e apresentável. No geral, convém reforçar que, para que a solução open space funcione bem, é preciso que a sala e a cozinha tenham muito espaço de arrumação. Na cozinha, deverá priorizar armários funcionais que têm muito mais espaço do que aquilo que aparentam.

Outra possível desvantagem são os cheiros e os barulhos, já que como está completamente exposta e não tem paredes a limitar, vão espalhar-se por toda a casa. Os cheiros são combatidos com exaustores potentes, que cada vez são mais silenciosos e eficientes. Vale a pena investir num bom equipamento, que garanta uma correta extração de fumos e cheiros. 

Cozinha fechada: os prós

Se gosta de cozinhar com privacidade, se não lhe apetece limpar enquanto convive com os convidados, a cozinha fechada é perfeita. É muito mais fácil evitar que a desordem fique exposta, basta que feche a porta. Além disso, espera-se que haja mais espaço de arrumação devido às paredes adicionais.

Ao contrário da cozinha aberta, cuja decoração deverá estar em sintonia com o resto da casa, na cozinha fechada terá mais margem de manobra ao escolher a decoração e as cores, por ser independente do resto do lar. 

Cozinha fechada: os contras

Naturalmente são mais isoladas, o que vai fazer com que a pessoa que esteja a preparar as refeições ou a tratar de tarefas na cozinha, seja excluída da zona de convívio. Particularmente em casas de áreas mais reduzidas, as cozinhas poderão certamente parecer mais pequenas. 

Optei por cozinha aberta, e agora?

Posto isto, e se optar pelo open space, saiba que a tarefa de fundir a cozinha com a(s) sala(s) num espaço amplo e prático é um grande desafio. Este artigo serve também para dar dicas de como criar um espaço único e contínuo entre a cozinha e a sala de jantar (e/ou sala de estar), sem perder a identidade de cada um. 

Peças de mobiliário

Especialmente em open spaces, é importante escolher móveis que permitam arrumos de fácil acesso para os utensílios do dia a dia, mas que não queremos ter à vista. Pode, por exemplo, optar por prateleiras, armários com portas de vidro, aparadores e outro tipo de arrumação que se ajuste ao seu estilo de vida. 

Tente manter tudo em ordem, usando e abusando dos espaços de arrumação, como uma ilha, em que pode adicionar os arrumos extra que necessita e até ‘encobrir’ a vista para o fogão, caso não o queira ter à vista. Não se esqueça de utilizar peças de decoração semelhantes em ambos os espaços, para que a harmonia esteja presente. 

Não sabe como escolher a mesa de jantar ideal para o seu espaço de refeições? Espreite este nosso artigo com diferentes tipos de mesas e qual o mais ajustado a cada tipo de sala.

Pontos de luz

A luz é essencial tanto para dividir os espaços como para os manter interligados. Os candeeiros suspensos são a grande tendência, principalmente em cozinhas, onde podem e devem tornar-se a peça de destaque.

Esta questão é tão relevante que chega a ser pensada desde o início da construção, junto com o projeto de arquitetura. Se tem dificuldade em escolher a iluminação interior adequada, leia ou releia este nosso artigo sobre o tema.

Open spaces

As cores

Conjugar as cores dos dois (ou três) espaços tanto pode criar divisão como continuidade. Se não se sentir à vontade para combinar várias cores, se não quiser arriscar demasiado, opte apenas por três cores que possa facilmente harmonizar entre a cozinha e a(s) sala(s). O ideal é coordenar uma cor quente, uma fria e uma neutra.

Open space prático e funcional

As casas são para usar confortavelmente e, por isso, tenha sempre em atenção todos os que a habitam e os que virão. É importante considerar pequenos detalhes, para que o dia a dia seja simplificado:

  • não colocar demasiados acessórios;
  • optar por cortinas de tecido lavável, que não necessitem de ir à lavandaria (facilmente laváveis em casa);
  • manter corredores largos para boa circulação.

No fundo, o que importa é que a cozinha e a sala de jantar (e/ou de estar) se tornarem um espaço único, eliminando-se possíveis barreiras. O desafio é grande mas prazeroso, uma vez que, ao mesmo tempo que criamos fluidez entre a sala e a cozinha, temos de os separar através de detalhes distintos, como uma ilha na cozinha, ou uma mesa que liga ambos os lados, ou até com diferentes cores na parede da cozinha e um papel de parede na sala.

Pense bem nas suas necessidades, pondere os prós e os contras de cada estilo de cozinha e inspire-se. Na JOM estamos sempre disponíveis para o ajudar e temos tudo para o seu lar.

You May Also Like

Guia para comprares o sofá ideal!

Lavandaria em casa: 5 dicas a considerar

regresso às aulas

O melhor regresso às aulas é com a JOM

5 sofás acessíveis para mudar o look da tua sala

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *